Cirurgia de Histerectomia, como é, Recuperação e mais

Olá, hoje queremos falar para você mulher sobre Cirurgia de Histerectomia, um procedimento invasivo que deve ser indicado em casos onde não existe mais solução através de tratamentos medicamentosos.

A cirurgia em si não é uma doença, mas é justamente para resolver problemas relacionados a região pélvica para que a mulher possa manter a saúde e continuar sua vida normal posteriormente.

Apesar de ser um procedimento bastante comum, este tipo de cirurgia ainda gera muitos conflitos e dúvidas entre as mulheres na questão do porque foi indicado, o tipo de procedimento a ser feito, os riscos e cuidados que se deve ter antes e depois. Vamos conferir alguns pontos:

A cirurgia

Cirurgia de Histerectomia é um procedimento de retirada do útero e outros órgãos que estão na região pélvica como ovários, trompas, afetados por problemas diversos que possam colocar a saúde da mulher em risco.

Este é um procedimento que deve ser realizado por um ginecologista cirurgião.

Quando é indicada

A Histerectomia é indicada em casos mais graves da região pélvica como:

  • Câncer de útero
  • Câncer de colo de útero
  • Câncer do ovário
  • Fibromioma uterina ou leiomioma
  • Displasia
  • Mioma
  • Infecção pélvica severa
  • Dor pélvica severa
  • Crescimento anormal do útero e outros
  • Placenta percreta
  • Dano grave ao útero
  • Sangramento uterino anormal
  • Endometriose
  • Prolapso uterino
  • Cirurgia de adequação sexual

Importante: Mesmo depois de um diagnóstico que sentença a histerectomia, é importante buscar outras avaliações, um segunda e terceira, pois alguns problemas ainda podem ser tratados com outros procedimentos não invasivos e com bons resultados.

Já é comprovado que em média 16% das mulheres que são sujeitas as este tipo de procedimento, poderiam ter sido tratadas de outra maneira

Tipos de Histerectomia

Existem 3 tipos diferentes de histerectomia, e vai depender da evolução da doença para a adoção da técnica ou maneira como será retirado o órgão pélvico.

Histerectomia parcial

Neste tipo de procedimento, o cirurgião retira somente o útero e não o colo do útero. E é importante saber que neste caso, a mulher deverá continuar a fazer o exame preventivo papanicolau para garantir a saúde da região.

Histerectomia total

Nesse caso o útero e o colo do útero são removidos. Mas também devem ser mantidos os exames periódicos para confirmar a saúde da vagina e outros órgão como ovários e trompas.

Histerectomia radical

Este tipo de cirurgia que também é conhecida por ‘total ampliada’, são removidos útero, colo do útero, trompas e ovários.

Pode acontecer também de ser removido o tecido vaginal que fica em torno do colo do útero.

Importante: Neste caso, quando a cirurgia é feita quando a mulher ainda está em período fértil, esta começa a sofrer com os sintomas da menopausa precoce. E como é nos ovários que se produzem as secreções hormonais, o médico receitará uma reposição hormonal.

Diferentes técnica de histerectomia

Existem diferentes técnicas que podem ser usadas para a retirada do útero E vai depender muito da gravidade do problema e o estado do útero, bem como do equipamento disponível no hospital.

Mas temos 4 opções:

Histerectomia vaginal

Neste caso a retirada do útero será pela vagina separando o útero dos outros órgãos.

Histerectomia Laparoscópica

Neste caso são feitas pequenas incisões na região abdominal  com o auxílio de instrumentalização própria que é alongada e estreita com o auxílio de uma câmera acoplada ao telescópio.

Assim o útero é cortado em pedaços menores para poder passar pelo canal vaginal.

Histerectomia robótica

Já este procedimento é feito através de equipamento 3D, onde braços robóticos realizam a cirurgia. Enquanto isso, o médico cirurgião somente acompanha através de um monitor.

é importante saber que a diferença entre a laparoscopia e a robótica está no fato de que a laparoscópica é feita por humano e a robótica por robô.

Histerectomia Abdominal

Este tipo de cirurgia é indicado em casos em que o útero está com volume excessivo. O corte pode ser vertical ou horizontal no baixo ventre, muito semelhante a uma cesárea.

Apesar do desconforto bem maior e mais demorada a recuperação, em muitos casos este é o procedimento mais indicado.

A Recuperação

Quando a recuperação, a verdade é que nos procedimentos abdominais é que se exige um tempo maior de recuperação. Mas podemos dividir mais ou menos assim:

Parcial vaginal – recuperação em 2 semanas

Parcial laparoscópica – recuperação em 3 semanas

Total laparoscópica – recuperação em 3 semanas

Total robótica – recuperação em 3 semanas

Radical abdominal – recuperação em 6 semanas

E a questão Hormonal?

Quando acontece a histerectomia radical é certo de que a mulher deverá fazer a reposição hormonal, uma vez que as secreções hormonais não serão mais produzidas devido a ausência dos ovários.

A mulher acaba entrando nos sintomas da menopausa precoce. Mas é importante conversar com um especialista parta ver qual será o melhor meio de fazer essa reposição.

Benefícios da Histerectomia

Os benefícios trazidos pela histerectomia são justamente os que resultam na recuperação da saúde da mulher, para que esta retome a qualidade de vida e o vigor.

A mulher não sentirá mais dor e desconforto e não menstruará.

Este é um procedimento que só deverá ser feito em última estância, quando os tratamentos através de medicamentos não são mesmo suficientes para resolver o problema.

Leia também:
Lipoaspiração Antes e Depois, Quanto Custa, Dicas

Como é Cirurgia de Adenoide particular e pelo Sus, Como Conseguir

Cirurgia de Redução de Estômago pelo SUS, quem tem direito

Cirurgia de Desvio de Septo Como é feita, pontos importantes

6 principais Sintomas de Gravidez que Confirmam gestação